Ensino Superior

Ensino superiorO ensino superior de Espanha tem uma excelente qualidade devido às várias instituições que possui. Neste sentido, serão apresentadas as diversas Universidades Espanholas, de acordo com as Cidades Autónomas:

 

 

Aragón

 Baleares

  • Universidad de las Islas Baleares

 Canarias

 Cantabria

 Castilla la Mancha

 Cataluña

 Comunidad Valenciana

 Extremadura

 Galicia

 La Rioja

 Madrid

 Murcia

 Navarra

 País Basco

 

O sistema educativo rege-se pelo princípio da autonomia, característico da vida universitária, que se traduz no poder que as universidade têm de elaborar e aprovar planos de estudo e investigação, estabelecendo a sua própria oferta académica que podem ser de dois tipos: Diplomas oficiais com validade em todo o território nacional e Diplomas próprios de cada universidade.

Relativamente ao ensino, cada universidade elabora e aprova os seus próprios planos de estudo que são compostos pelas principais matérias, que são obrigatórias da própria universidade, matérias optativas e matérias de configuração livre. No entanto, estes planos de estudo, são homologados pelo Conselho de Universidades para que sejam válidos.

As Universidades em Espanha oferecem o ensino superior em conformidade com os ciclos de estudo que existem em três níveis de ensino universitário:

 

  • Estudos de Primeiro Ciclo: duração de 3 anos e uma carga horária nunca inferior a 180 créditos, que conduzem à aquisição dos seguintes diplomas: Diplomado, Arquitecto Técnico e Engenheiro Técnico.

 

  • Estudos de Segundo Ciclo: duração de 4, 5 e 6 anos e uma carga horária nunca inferior a 300 créditos, que conduzem à aquisição dos seguintes títulos: Licenciado, Engenheiro ou Arquitecto.

 

  • Estudos de Terceiro Ciclo: corresponde ao grau de Mestre em Portugal e ao adquirir este título fica com o título de Doutorado ou Doutor.

 

Processo de admissão no ensino superior:

Os estudantes devem possuir um certificado de habilitações da segunda fase do ensino secundário obrigatório, ou seja, o Bacharelato. Depois deste ser devidamente reconhecido, têm que passar por diversas provas de aptidão para o acesso à universidade.

O seu calendário escolar começa normalmente na última semana de Setembro e acaba na primeira semana de Junho. São realizadas entre 20 a 30 horas de aulas por semana. Ao longo do curso existem dois períodos de férias: as do Natal (de 21 de Dezembro a 8 de Janeiro) e as da Páscoa (uma semana nos meses de Março ou Abril). Existem duas épocas de exames. A primeira tem início no final de Janeiro e vai até meados de Fevereiro. A segunda é ao longo do mês de Junho. Em Setembro realizam-se os exames extraordinários para aqueles alunos que não foram aprovados nos exames de Fevereiro e Junho.

Quanto às propinas, estas são fixadas pela Comunidade Autónoma em que está localizada a universidade ou pela autoridade nacional na zona por ela administrada. No entanto, os gastos relacionados com a matrícula são iguais para todas as universidades públicas. Para os estudantes bolseiros, com famílias numerosas ou com resultados excepcionais, têm direito à matrícula gratuita. As bolsas e os subsídios são concebidos pelo Estado no qual se destinam às deslocações, a transportes urbanos, ao alojamento, ao material didáctico, aos gastos da matrícula. A obtenção de uma bolsa depende do rendimento familiar e dos resultados académicos do aluno. Ao ingressar no país, é necessária a comprovação de condições monetárias que sejam suficientes para se sustentarem durante o tempo em que estiverem em território espanhol.

Relativamente aos programas académicos, os cursos têm disciplinas obrigatórias e facultativas que, de acordo com o número de créditos obtidos no final do curso, dão direito à aquisição do diploma universitário. Os créditos variam consoante as cadeiras leccionadas e dependem do número de horas. A obtenção destes, é regulada pela análise das competências adquiridas pelo aluno ao longo do ano em que são testados através de exames escritos e orais.

Nas universidades, os professores têm a particularidade de escolher a língua em que vão dar a aula, poderá ser dada em galego, catalão ou em basco, dependendo da região.

Poder-se-á concluir que Espanha é um dos destinos mais procurados por aqueles que decidem morar na Europa uma vez que os espanhóis têm uma cultura latina e o estilo de vida é bastante tranquilo. Contudo, esta escolha poderá não sair barata pois o custo das moradias, do transporte e da alimentação ronda aproximadamente os 1.000 euros. Também os custos com os cursos variam de 300 euros mensais a 10 mil anuais, ou seja, quanto mais importante ou extenso o curso, mais cara é a sua formação.

  

  

 

Fontes:
 
http://www.mequieroir.com/estudiar/espana/sistema4.phtml
Acedido a 24 de Maio de 2009

http://www.educacion.es/
Acedido a 24 de Maio de 2009

http://www.cup.pt/CUP/Redaccao/2003/Rotas+Acad%C3%A9micas/Internacional/2003_01/Espanha+-+Informa%C3%A7%C3%A3o+Complementar.htm
Acedido a 24 de Maio de 2009

http://www.uah.es/enlaces/universidades.shtm
Acedido a 6 de Junho de 2009

Deixar uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

%d bloggers like this: